Para Dilma, há conservadorismo perigoso no País

30/05/2015 at 12:53 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , , , , )

dilmaPresidente da República Dilma Rousseff durante a 10ª Conferência Nacional do PC do B em São Paulo © Fornecido por Estadão

30/05/2015

Elizabeth Lopes e Carla Araújo / Estadão

Em evento do PCdoB na noite desta sexta-feira, 29, em São Paulo, na qual foi a estrela principal, a presidente Dilma Rousseff (PT) advertiu que há um conservadorismo muito perigoso na sociedade brasileira. E se posicionou novamente contra a maioridade penal. “Penalize o adulto, mas resolver a questão da violência do menor com internação em prisões, não resolve.”

No discurso de pouco mais de uma hora, a presidente lamentou a queda da CPMF, derrubada no Congresso Nacional, na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com o apoio dos parlamentares do PSDB. E disse que a destinação de 25% do fundo do pré-sal para a saúde não dá para muita coisa. Neste momento, alguém da plateia gritou: “CPMF neles!” e ela riu e disse: “Não sou eu quem está dizendo.”

Ao criticar o conservadorismo presente no País, voltou a elogiar o PCdoB, dizendo que eles sabem o que é prioridade. E defendeu sua gestão: “Posso garantir que a agenda do meu governo é popular, inclusiva, e tenho discutido o ajuste fiscal de forma equilibrada, com justiça. Tenho certeza que posso continuar contando com o PCdoB, quero a militância ao meu lado.”

Cela

No final do discurso, disse que não se sente sozinha no Palácio do Planalto. “Sozinha me sinto dentro de uma cela”, emendou, em resposta a algumas críticas de que vive ‘encastelada’ na sede do executivo federal.

A vinda de Dilma para o evento do PCdoB não estava na agenda prévia do Palácio do Planalto e foi decidida na tarde desta sexta-feira, 29. No início do discurso, ela disse que ficou muito honrada e comovida pelo convite. “Neste convite tem toda confiança recíproca que eu tenho em vocês e queria muito que vocês tenham em mim.”

Dilma falou que o Brasil tem uma trajetória política na qual, o PCdoB, com 90 anos, passou por muitas lutas. “Muitos partidos ficaram para trás e o PCdoB, sem abrir mão de seus ideais e bandeiras, da cor vermelha, de seus compromissos e socialismo, tornou-se um País democrático. E se transformou sem abandonar suas crenças ou suas convicções.” E lembrou de João Amazonas e falou de Renato Rabelo.

Dilma chamou Rabelo de irmão de luta. “Podemos ter, em vários momentos, alguns erros. Sempre respondo que devemos ter orgulho de muitos erros e deste orgulho eu compartilho com Rabelo, quando lutei no Brasil, num período muito difícil de lutar.” E disse que um dos motivos que motivaram sua vinda à conferência da legenda foi a homenagem a Rabelo, que está deixando a presidência do PCdoB.

Crise

Durante seu discurso, o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, fez críticas ao projeto de terceirização, conseguindo arrancar aplausos da presidente, mas também defendeu “o grande esforço do governo Dilma em proteger a economia nacional em tal situação de crise”. “A presidente começou a procurar saída com medidas estruturantes”, disse.

Rabelo criticou também o papel da oposição de trabalhar “para o quanto pior, melhor” e disse que é preciso evitar medidas antidemocráticas. Segundo ele, é preciso trabalhar pela defesa do mandato legítimo e constitucional da presidente Dilma. “Eles querem derrubar a presidenta, nós queremos sustentá-la”, afirmou.

Apesar das críticas em relação a terceirização, Rabelo defendeu que o ajuste proposto pelo governo é necessário por conta de um período de crise internacional. “Acredito que a presidente tenha nitidez quanto alternativa a seguir”, afirmou. Segundo ele, o apoio ao ajuste está ligado ao compromisso do governo em manter seus compromissos sociais. “É preciso de um ajuste que permita a retomada do crescimento, voltado para o progresso social”, afirmou.

Filiação

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em breve discurso na 10ª Conferência Nacional do PCdoB, brincou com a presidente Dilma Rousseff, dizendo que assim que ela terminasse o mandato, iria convidá-la para se filiar ao seu partido. O governador disse acreditar que Dilma levará o País a um porto seguro depois dessa crise e garantiu que seu partido está ao lado da petista em todos os momentos, mesmo os mais difíceis.

A próxima presidente do PCdoB, Luciana Santos, que assume no lugar de Rabelo, disse em seu discurso que a presidente Dilma se tornou um exemplo para gerações de mulheres, com coragem para enfrentar as adversidades. “Sua trajetória política de coração valente pode nos conduzir a uma saída que garanta o desenvolvimento do País e os investimentos sociais.”

Saiba mais:

PF faz buscas em endereço da primeira-dama de MG

Empresas da Lava Jato disputarão concessões, diz jornal

*****

Anúncios

Link permanente 1 Comentário

Fotógrafo ferido pela PM lança exposição temática

11/06/2014 at 11:20 (*Liberdade e Diversidade) (, , )

fotografo expoDo site Imprença

Exatamente um ano após ter sido vítima de uma bala de borracha, disparada pela PM Paulista, durante os protestos no dia 13 junho de 2013, o fotógrafo Sergio Silva abre uma exposição fotográfica para não deixar a data ser apagada.

Sérgio perdeu a visão do olho esquerdo em decorrência do tiro disparado contra ele enquanto trabalhava cobrindo os protestos. Este dia, foi marcado não só pela violência policial sofrida por ele, mas também por vários outros manifestantes e jornalistas que acompanhavam o protesto.

Piratas

A exposição Piratas Urbanos apresenta fotografias que Sergio Silva vem tirando de pessoas usando um tapa-olho. Entre os fotografados estão amigos, pessoas famosas e desconhecidas que tomaram conhecimento e se solidarizam com sua história. Segundo o fotógrafo, a série de retratos Piratas Urbanos teve início sete meses após ele ter se tornado uma das centenas de vítimas da violência policial em manifestações. “A ideia surgiu como uma forma de protesto contra a violência que sofri. O que eu poderia fazer para superar o trauma? A fotografia mostrou a existência de um caminho possível.”

Fotos ilustres

Entre os famosos retratados, estão o consagrado fotógrafo Sebastião Salgado, o Senador Eduardo Suplicy, o músico André Abujamra. “O tapa-olho cobrindo a visão, denuncia o tamanho da violência cometida por arma letal. A figura do pirata me inspirou na simbologia daquele que possui o olho cego. Neste momento [o da foto], todos passam a ser piratas, condenados à violência urbana e à falta de uma verdadeira política de segurança pública”, explica Sérgio.

A Exposição

A exposição reúne em torno de 60 fotos e vai ser inaugurada no dia 13 de junho às 19h30 na sede da ONG Coletivo Digital que fica na Rua Cônego Eugênio Leite, 1117 – Vila Madalena – SP (entre as ruas Cardeal Arco Verde e Teodoro Sampaio). A entrada é franca. Piratas Urbanos fica em cartaz de 13 a 28 de junho. Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta: 10h às 19h / Sábado 10h às 17h

SERVIÇO

Evento: Abertura da Exposição Piratas Urbanos

Quando: 13.06.2014

Hora: 19h30

Onde: Sede da ONG Coletivo Digital

Endereço: Rua Cônego Eugênio Leite, 1117 – Vila Madalena – SP (entre as ruas Cardeal Arco Verde e Teodoro Sampaio)

Quanto: Grátis

Em cartaz: de 13 a 28 de junho.

Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta: 10h às 19h / Sábado 10h às 17h

Informações: 11 3083-5134 / 975997257

Realização: Coletivo Digital com apoio de Fundação Perseu Abramo

******

Link permanente Deixe um comentário

Câmara de São Paulo aprova comissão da verdade; texto vai para sanção do prefeito

07/06/2014 at 20:49 (*Liberdade e Diversidade) (, , )

Redação RBA

A Câmara Municipal de São Paulo concluiu no dia 03 a votação do projeto da prefeitura que cria a Comissão da Memória e Verdade. Na segunda fase, foram 39 votos a favor e só um contrário (do vereador Coronel Alvaro Camilo, do PSD, ex-comandante da Polícia Militar). A primeira votação ocorreu em 27 de maio. O Projeto de Lei 65, de 2014, segue agora para sanção do prefeito Fernando Haddad (PT), que indicará os cinco integrantes da comissão.

Foi uma aprovada uma emenda, em acordo, que reduziu de sete para três o número de cargos a serem criados pela prefeitura, entre secretaria executiva e assessores técnicos. Outra emenda, que eliminava também esses três cargos, foi derrubada.

Para o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, a aprovação representa um marco para o país. “Não podemos nos esquecer de que cerca de 20% das mortes e dos desaparecimentos políticos da ditadura ocorreram na cidade de São Paulo e que a prefeitura colaborou com a repressão, perseguindo funcionários e tendo a chave dos cemitérios municipais”, afirmou.

Segundo a secretaria, a comissão “funcionará em colaboração com as outras comissões da verdade estabelecidas no município e com a Comissão Nacional da Verdade”. O colegiado terá mandato de dois anos, prorrogável por até um.

******

Link permanente Deixe um comentário

Shopping de luxo de SP fecha as portas após protesto em apoio a ‘rolezinhos’

18/01/2014 at 19:40 (*Liberdade e Diversidade) (, , )

18/01/2014

Por Victor Vieira, Fabio Leite e Felipe Cordeiro, estadao.com.br

JK Iguatemi fechou às 13h45 para evitar a entrada de manifestantes do movimento social Uneafro e só voltará a abrir no domingo

Rolezinho no shopping iguatemi - sp

“Protesto, em apoio aos ‘rolezinhos’, foi promovido pelo movimento social Uneafro”

SÃO PAULO – O Shopping JK Iguatemi, um dos mais luxuosos de São Paulo, fechou as portas neste sábado, às 13h45, para evitar que manifestantes entrassem no local. Em plena hora de almoço, seguranças não permitiam que ninguém entrasse ou saísse. O protesto, em apoio aos “rolezinhos”, foi promovido pelo movimento social Uneafro. Havia cerca de 150 pessoas (veja vídeo abaixo).

Em coro, os manifestantes pediam para entrar no shopping, alegando se tratar de um direito constitucional. Eles disseram que entrariam sem bandeiras e sem tumulto. Como o JK manteve as portas fechadas, uma comissão de manifestantes seguiu para o 96º Distrito Policial, no Itaim-Bibi, para registrar boletim de ocorrência por “constrangimento ilegal” e racismo. “O shopping estava aberto antes de chegarmos. Só fecharam as portas porque viemos para cá. Isso é constrangimento ilegal. Quem está cometendo o crime são eles, não nós”, afirmou o advogado Elizeu Soares Lopes, que representa as entidades que participam da manifestação.

Segundo a assessoria de imprensa do JK, o shopping decidiu fechar para “garantir a segurança de lojistas, funcionários e clientes” (confira a íntegra da nota abaixo). O funcionamento interno foi mantido durante parte da tarde, mas por volta das 17h o shopping decidiu encerrar as atividades e os lojistas, indignados, dispensaram os funcionários. Após o fechamento total, os manifestantes decidiram seguir para o Parque do Povo, que fica próximo ao centro de compras. Na sábado passado, o shopping havia conseguido liminar na Justiça para impedir encontro de jovens organizado pelas redes sociais.

Com os “rolezinhos” marcados para o fim de semana, os shoppings centers da capital reforçaram seus esquemas de segurança para impedir tumultos. A restrição de acesso a jovens da periferia que marcam grandes encontros em shopping foi alvo de polêmica durante a semana. Enquanto juristas se dividem sobre a legalidade em barrar a entrada de parte dos clientes, movimentos sociais acusaram os centros de compra de discriminação social e racial.

Nesta manhã, a assessoria de imprensa do Shopping Center Norte, na Vila Guilherme, havia informado que a segurança estava reforçada para acompanhar a movimentação dos jovens, mas que não haveria fechamento das lojas. A infraestrutura do local, segundo a assessoria, é suficiente para acomodar grande número de pessoas.

Na quinta-feira, a 4.º Vara Cível do Fórum Regional de Santana concedeu liminar favorável ao centro de compras contra os “rolezinhos”. De acordo com a juíza Fernanda de Carvalho Queiroz, autora da decisão, a página de organização do evento no Facebook incitava “a prática de crimes e contravenções penais”. O shopping informou que acionaria oficiais de Justiça apenas em casos de tumulto.

A Justiça de São Paulo também vetou na quinta-feira três “rolezinhos” programados pelas redes sociais nos shoppings Metrô Tatuapé e Metrô Boulevard Tatuapé, na Radial Leste, na zona leste. O primeiro estava marcado para este sábado. Os próximos para os dias 26 de janeiro (sábado) e 22 de fevereiro (domingo). A assessoria de imprensa do complexo de compras informou que o funcionamento era normal e que a segurança foi orientada sobre o evento.

A liminar (decisão provisória) foi dada pelo juiz Luis Fernando Nardelli, da 3.ª Vara Cível do Fórum Regional de Tatuapé, na zona leste. “É de rigor estabelecer o limite e impedir a aglomeração de pessoas cujo objetivo precípuo é a realização de tumulto e vandalismo”, disse, após ação movida pela empresa que controla os shoppings anexos à estação de metrô. Um oficial de Justiça foi designado para citar os manifestantes que realizarem qualquer tipo de tumulto no local que pertence ao Complexo Comercial do Tatuapé.

Confira a nota à imprensa divulgada pela assessoria do Shopping Center JK Iguatemi:

O Shopping Center JK Iguatemi esclarece que respeita manifestações democráticas e pacíficas, mas o espaço físico e a operação de um shopping não são planejados para receber qualquer tipo de manifestação. Com o compromisso de garantir a segurança de seus clientes, lojistas e colaboradores, e de acordo com procedimento padrão utilizado em situações semelhantes, o empreendimento interrompeu temporariamente suas atividades neste sábado, 18 de janeiro.

Shopping Center JK Iguatemi

*****

Link permanente Deixe um comentário

Cheiro de bolo e clima de paz

11/10/2013 at 22:22 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , , , )

O cheiro do bolo e o clima de paz

11 de outubro de 2013

Centro Ocupado / Blog da Redação

Blog da Redação - Mércia tem....

Mércia adaptou o apartamento que une cozinha e lavanderia (Foto: Centro Ocupado)

Guia de turismo, Mércia veio de Brasília a São Paulo para cuidar da saúde e acabou em ocupação de prédio, com filha e netos…

Por Rafael Rojas

Em meio a máquinas de lavar roupas e um cheiro de bolo recém-saído do forno, Mércia nos recebe em seu apartamento na ocupação da Rua Sete de Abril. Aos 54 anos, Mércia Gonçalves Brito fala de modo tímido sua trajetória até a moradia no centro de São Paulo, onde está há 10 meses.

De Brasília, onde trabalhava como guia de turismo, Mércia decidiu conhecer São Paulo e se acostumou ao clima da cidade, mais úmido que a região central do País. “Vim passear, devido a ter pressão alta e diabetes. Me senti muito bem aqui. Minha filha só tem três meses com os meninos. Acabei ficando”.

Ao chegar à cidade, conheceu um rapaz no hotel onde estava hospedada que a indicou o local da ocupação. A mulher que atualmente lava roupas para alguns moradores dos prédios e preparas bolos e pães não conhecia nada do movimento de moradia e tinha um pouco de medo. “Aqui é bem tranquilo. É bem família aqui. Eles são muito exigentes e caso eles precisem, eles tiram fora. É bem calmo. Os gestores são bem severos. Só ficam quem precisa, quer trabalhar e ajudar o movimento”, comenta Mércia em meio ao barulho das brincadeiras dos netos que às vezes fazem uma visita ao apartamento.

A matriarca de uma família que ainda tem raízes no Distrito Federal comenta que ainda não se adaptou a viver num lugar pequeno, mas que apesar do pouco espaço consegue fazer muita coisa.
O clima de São Paulo cativa

Com apenas uma filha ao seu lado em São Paulo (as outras ainda moram em Brasília), Mércia comenta que a saudade aperta, mas não pensa em morar no DF novamente. “Eu vou pra lá de vez em quando. Vou e volto. Me adaptei muito bem aqui. Lá eu teria que tomar muito remédio e aqui nem tomo. Em Brasília, é frio só de manhã. Passou das dez horas é quente e seco. Quando fico lá é só hospital, hospital. Aqui eu não preciso”. Outro ponto ponderado pela mãe de três mulheres é o exercício físico: “Lá não fazia nada, acompanhava só algumas excursões. Aqui eu procuro ocupar meu tempo”.

A multiprofissional (doceira, lavadeira e guia) não pensa em voltar para o Distrito Federal. “Vou ficar por aqui, apesar de ter duas filhas lá. Uma terminou a faculdade e a outra está acabando. Ambas são casadas, mas nem pensam vir para cá”, lembra Mércia das filhas que ainda moram em Brasília.

Blog da Redação - Mércia adaptou a cozinha e ....

Em relação à filha e aos netos que moram com ela no local, Mércia diz: “Vamos ficar por aqui por um tempo. Não sabemos quanto tempo. Se aparecer essa oportunidade de conseguir uma casa, aí a gente vai ver o que fazer”. Além da parte saudável, pensa que São Paulo também pode ser bem mais fácil para buscar trabalho. “Isso serve tanto pros meus filhos, como pra mim. Minha filha via continuar os estudos aqui. Ficou mais fácil. Ela vai começar a vida aqui. O campo de trabalho é mais fácil”, compara a moradora da ocupação a relação entre São Paulo e Brasília.

*****

Link permanente Deixe um comentário

Paulinho Simões lança CD em São Paulo

23/09/2013 at 15:15 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , )

Paulinho Simões no Bourbon Street
Paulo Simões no Bourbon Street Music

23/09/2013

O cantor e compositor Paulo Simões faz show de lançamento do cd Canções, Simplesmente Canções, no Bourbon Street, amanhã à noite, em Moema,SP. No repertório de estilo folk sul mato-grossense, estão músicas do novo trabalho, como Menina do Tempo, Brincadeiras à Parte, Chuva Medonha, além dos clássicos Trem do Pantanal, Comitiva Esperança e Sonhos Guaranis. Como convidados estão os parceiros Almir e Rodrigo Sater, Antonio Porto e João Ormond, entre outros. A abertura do show fica por conta de Jonavo, representando a nova safra do folk-rock brasileiro.

O show faz parte do festival, projeto criado para unir e difundir esse gênero musical brasileiro. O folk tem ganhado muita força no mundo nos últimos anos. A tendência também tem movimentado a cena musical no Brasil, que até então, não tinha um festival representativo do gênero. Vários artistas como Zé Geraldo, Renato Teixeira, Sá e Guarabyra e Zé Ramalho são considerados folk e com a mídia mundial voltada para o gênero, os artistas brasileiros começaram a se organizar para abordar o assunto.

O Folk+Brasil tem realizado shows de novos artistas do folk brasileiro, como Bezão(SP), Benjamin (BA), Breno Fernandes(SP), Jonavo(MS), além de entrevistas com os medalhões, que podem ser conferidas no site http://www.folkmaisbrasil.com.br

Serviço
Local: Bourbon Street | Rua Dos Chanés, 127 – Moema – SP
Bilheteria Bourbon Street: Rua dos Chanés 194 – de 2ªf.a 6ª.f das 9h às 20h, sábado e feriado das 14h às 20h
Fone para reserva: (11) 5095-6100 (Seg. a sexta) das 10h às 18h
Data : 24/09/2013 – terça-feira
Horário: 22h

Fonte: www.tremdopantanal.com.br

Tease da música Menina do Tempo:

http://youtu.be/2Y58L8GiYfA

*****

 

Link permanente Deixe um comentário

Audiência Pública em São Paulo: Questão Agrária

20/09/2013 at 11:26 (*Liberdade e Diversidade, Hermano de Melo) (, , , , )

Audiencia Pública em São Paulo

Link permanente Deixe um comentário

Arquiteta nunca foi ao prédio que desabou em São Paulo

31/08/2013 at 11:13 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , , )

Prédio que desabou em São PauloArquiteta afirma nunca ter ido a prédio que caiu

31/08/2013 | Por ARTUR RODRIGUES, estadao.com.br

Responsável pelo projeto de obra que desabou e matou 10 diz que assumiu trabalho de outra profissional e dono tinha pressa na construção

A arquiteta Rosana Ignácio Januário, responsável pelo projeto da obra que desabou e matou dez pessoas em São Mateus, na zona leste, afirmou que o proprietário do terreno tinha muita pressa na construção e que foi usada como “laranja”. Rosana negou culpa pelo acidente e disse nunca ter ido ao local.

Ela contou ao Estado que assumiu um projeto feito por outra arquiteta, a pedido do dono do terreno, Mostafá Abdallah Mustafá. Pelo serviço, cobrou R$ 2 mil. “Ele comentou comigo que tinha tomado uma multa, por isso queria um projeto.” Rosana disse ter pedido para que Mustafá parasse a obra até a aprovação da Prefeitura. O projeto da arquiteta tinha apenas um andar, térreo, enquanto na obra que caiu havia dois.

A arquiteta contou que se sente “enganada” pelo dono do terreno, que teria usado sua assinatura para legitimar a obra. “Ele (Mustafá) estava com muita pressa.” Após o acidente, ela falou duas vezes com Mustafá: para saber se a obra era a do projeto assinado por ela e para cobrar o valor combinado, que recebeu “a muito custo”.

Rosana afirma que tem sofrido ameaças. “As pessoas jogam papéis debaixo do portão e cartas no escritório, dizendo que eu deveria morrer.” Por meio do advogado, Mustafá responsabiliza a Engenharia Salvatta, contratada pelo Magazine Torra Tora, pelo acidente. A rede de lojas e a engenharia culpam o dono do imóvel.

O fiscal Valdecir Galvani de Oliveira, que havia embargado a obra em 25 de março e pedido exoneração dez dias depois, disse ontem em entrevista ao SBT que o dono do imóvel sabia do problema e que ficou surpreso e triste quando soube do desmoronamento.

Internet. O prefeito Fernando Haddad (PT) disse que pretende colocar na internet a lista de obras embargadas e incluí-las no Diário Oficial da Cidade. “Quanto mais informações acessíveis, mais fácil será a fiscalização, não somente do vistor, mas da sociedade”, disse.

*****

Link permanente Deixe um comentário

Manifestações eclodem em todo País

30/08/2013 at 11:28 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , )

Manifestantes na marginal Pinheiros - SP

Manifestantes interditam faixa da marginal Pinheiros, em São Paulo

30 de Agosto de 2013

Um grupo de manifestantes interditou, na manhã desta sexta-feira, uma faixa da marginal Pinheiros, sentido Interlagos. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o bloqueio ocorria na altura da ponte Transamérica e não prejudicava o trânsito local. A Polícia Militar informou que cerca de 40 pessoas marchavam pela via, mas não soube informar o motivo do protesto.

Está marcada para esta sexta-feira, uma série de protestos em todo o País. Segundo a Força Sindical, os atos fazem parte do Dia Nacional de Manifestação e Luta, que tem como objetivo “chamar a atenção para a pauta trabalhista que cobra o fim do fator previdenciário, redução da jornada de trabalho sem redução salarial, reajuste para os aposentados, fim do projeto de Lei 4.330 – que amplia a terceirização e mais investimento em saúde e educação”.

O ato é um desdobramento da primeira série de manifestações realizada no dia 11 de julho, quando as centrais sindicais paralisaram diversas avenidas e rodovias em várias cidades. Por volta das 5h, a concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes informou que moradores do Conjunto Habitacional Imigrantes que pediam melhorias da Saúde e na Segurança iniciaram uma marcha, sentido rodovia Anchieta, impedindo que motoristas deixassem a Baixada Santista pela rodovia. Às 6h, cerca de 50 manifestantes já bloqueavam a pista da rodovia Anchieta, no sentido litoral, na altura do quilômetro 60. Era registrado cerca de 1 quilômetro de congestionamento no horário.

Fora Alckmin - USP-SP
Protestos e paralisações

Segundo os organizadores do ato, em São Paulo haverá uma grande concentração de trabalhadores, a partir das 10h desta sexta, no viaduto Santa Ifigênia, na região central da capital. Além disso, estava agendada para 5h uma série de concentrações de trabalhadores em diferentes pontos da cidade, incluindo a empresa metalúrgica MWM, na zona sul, o Terminal Sacomã, na zona leste, e a ponte do Piqueri, na zona oeste.

Segundo a CSP-Conlutas, diversas categorias pretendem cruzar os braços nesta sexta-feira em São Paulo, incluindo trabalhadores em educação básica, bancários e servidores do Incra e do Dnit. Além da capital e do litoral, manifestantes prometem paralisações em diversas cidades do interior paulista e da Grande São Paulo, como Osasco, Guarulhos, Ribeirão Preto, Franca, Campinas, Piracicaba, Sertãozinho, Mogi Guaçu.

Haverá manifestações também em Brasília e nos Estados do Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Goiás, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins. (Fonte: Site Terra).

*****

Link permanente Deixe um comentário

Propinoduto do metrô de São Paulo

24/08/2013 at 10:56 (*Liberdade e Diversidade) (, , , , , )

Metrô de São Paulo - Propinoduto

Leumi  Private Bank – Genebra, Suiça: Dinheiro para tucanos saiu da “conta Marília” 

A Conta Secreta do Propinoduto

24/08/2013

Documentos vindos da Suíça revelam que conta conhecida como “Marília”, aberta no Multi Commercial Bank, em Genebra, movimentou somas milionárias para subornar homens públicos e conseguir vantagens para as empresas Siemens e Alstom nos governos do PSDB.

Claudio Dantas Sequeira e Pedro Marcondes de Moura / Revista Isto É

Na edição da semana passada, ISTOÉ revelou quem eram as autoridades e os servidores públicos que participaram do esquema de cartel do Metrô em São Paulo, distribuíram a propina e desviaram recursos para campanhas tucanas, como operavam e quais eram suas relações com os políticos do PSDB paulista.

A CONTA DA PROPINA

Agora, com base numa pilha de documentos que o Ministério da Justiça recebeu das autoridades suíças com informações financeiras e quebras de sigilo bancário, já é possível saber detalhes do que os investigadores avaliam ser uma das principais contas usadas para abastecer o propinoduto tucano.

De acordo com a documentação obtida com exclusividade por ISTOÉ, a até agora desconhecida “conta Marília”, aberta no Multi Commercial Bank, hoje Leumi Private Bank AG, sob o número 18.626, movimentou apenas entre 1998 e 2002 mais de 20 milhões de euros, o equivalente a R$ 64 milhões. O dinheiro é originário de um complexo circuito financeiro que envolve offshores, gestores de investimento e lobistas.

Uma análise preliminar da movimentação da “conta Marília” indica que Alstom e Siemens partilharam do mesmo esquema de suborno para conseguir contratos bilionários com sucessivos governos tucanos em São Paulo. Segundo fontes do Ministério Público, entre os beneficiários do dinheiro da conta secreta está Robson Marinho, o conselheiro do Tribunal de Contas que foi homem da estrita confiança e coordenador de campanha do ex-governador tucano Mário Covas. Da “Marília” também saíram recursos para contas das empresas de Arthur Teixeira e José Geraldo Villas Boas, lobistas que serviam de intermediários para a propina paga aos tucanos pelas multinacionais francesa e alemã.

*Ver mais detalhes sobre “Operação Metrô” em São Paulo na Revista Isto É desta semana.

*****

 

Link permanente Deixe um comentário

Next page »