Oposição reúne apoio suficiente para CPI sobre finanças do município de Campo Grande, MS

06/05/2015 at 11:45 (*Liberdade e Diversidade)

cpi finançasAspecto da sessão plenária que aprovou a CPI das Finanças do Município

06 de maio de 2015

Mariana Anjos e Humberto Marques / O Estado MS

Vereadores da oposição e dissidentes da base aliada do Executivo na Câmara de Campo Grande conseguiram ontem (5) reunir dez assinaturas para a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que irá investigar a situação financeira da Prefeitura da Capital.

O requerimento foi apresentado pelo vereador Paulo Pedra (PDT), um dia depois de o prefeito Gilmar Olarte (PP), em entrevista coletiva, apresentar detalhes sobre o quadro do Tesouro Municipal – que sofre com as quedas na arrecadação de impostos e nos repasses federais e estaduais, tendo de conciliar aumentos nos gastos com pessoal decorrentes de reajustes salariais nos últimos anos.

Além de Pedra, apoiam a investigação Luiza Ribeiro (PPS), Thais Helena (PT), Alex do PT, Ayrton Araújo do PT, Cazuza (PP) e José Chadid (sem partido), todos da oposição a Olarte, e Chiquinho Telles (PSD), Chocolate (PP) e Eduardo Romero (PT do B). Os dois últimos, ontem, anunciaram que passam a ser “independentes” na Casa.

A justificativa para a instalação da CPI é de que a Câmara tem chamado há tempos o prefeito para dar esclarecimentos sobre a crise nas finanças municipais, sem resposta. Além disso, eles reagiram à alegação de Olarte, dada na segunda-feira, de que a crise é decorrente de atos tomados por administrações anteriores.

Gastos com folha e queda nas receitas integram pedidos de informações

Os vereadores pretendem conferir se o aumento de 40,34% na folha de pessoal da Prefeitura de Campo Grande é resultado de aumentos salariais praticados pelos antecessores de Olarte – Alcides Bernal (PP, de 2013 ao início de 2014, quando foi cassado) e Nelsinho Trad (PMDB, 2005 a 2012)– ou decorrente da nomeação maciça de funcionários comissionados na gestão de Olarte.
Outro ponto a ser esclarecido é o percentual da folha de pagamento destinado aos comissionados e se os mesmos estão trabalhando ou atingem suas finalidades.

Finalmente, a CPI deve analisar a redução na arrecadação do município, em especial no ICMS – resultado de repasses estaduais, reduzidos neste ano–, IPTU e ISS. O requerimento para abertura da CPI foi enviado à Mesa Diretora, com prazo de 48 horas para que sejam tomadas providências para sua instalação. Até lá, algum parlamentar ainda pode rever o apoio ao pedido e retirar a assinatura.

Vereadores querem ‘entender’ questão

Thais Helena afirmou que, em um momento de crise, a primeira ação do Executivo municipal seria cortar cargos comissionados e paralisar serviços que não sejam essenciais, ações que ela não enxerga na Prefeitura da Capital. “Estamos buscando informações para que possamos entender o que realmente está acontecendo”, disse. “Não conseguimos enxergar isso (crise). A receita continuava boa, relativamente, no ano passado”, afirmou Luiza. “Queremos saber o que está acontecendo”.

Na base de Gilmar Olarte, os sinais de descontentamento contrastam com a discordância da instalação da CPI. “Não assinei (o pedido) porque é uma decisão que temos de tomar no partido. Mas isso não quer dizer que não esteja preocupada com a situação atual. Estamos em um momento grave”, disse Carla Stephanini (PMDB).

Carlão (PSB) também avaliou a questão como partidária, mas rebateu argumentos favoráveis à CPI. “Eles têm direito de fazer isso, até porque são da oposição. Mas sempre que pedi informações sobre as contas, foi passado”.

*****

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: