PIB quase nulo, inflação alta: 100 dias do 2º governo Dilma

10/04/2015 at 17:10 (*Liberdade e Diversidade)

dilma 1Com Joaquim Levy no Ministério da Fazenda, o lema da economia no 2º mandato de Dilma é ajuste fiscal (Foto: Ueslei Marcelino / Reuters)

Neste ano, a popularidade da presidente caiu para níveis recordes desde que foi eleita pela primeira vez

10 ABR 2015

Terra

Às vésperas de mais protestos contra o governo federal, Dilma Rousseff (PT) chega ao centésimo dia de seu segundo mandato à frente da Presidência da República tendo que se manter firme diante do barulho das ruas, das denúncias de corrupção e de uma economia declinante.

O cenário para a presidente não mudou muito desde as eleições, em outubro do ano passado. A Operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras, já estava em andamento, e diversos dados já demonstravam desaceleração econômica e avanço da inflação no País.

Neste ano, a popularidade de Dilma caiu para os níveis recordes desde que foi eleita pela primeira vez. Segundo pesquisa Datafolha, a taxa de reprovação da presidente atingiu 62% em março , próxima aos 68% do ex-presidente Fernando Collor de Mello em 1992.

Para tentar reverter o quadro econômico, Dilma convocou Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda. O governo passou a defender o ajuste fiscal. Embora Levy tenha ganhado, inicialmente, o apoio do empresariado , as medidas têm sofrido pressão no Congresso Nacional, além de não serem nada populares entre trabalhadores.

Confira alguns números que marcaram a economia do Brasil e a rotina de Dilma nesses primeiros 100 dias do segundo mandato:

1 – Economia estagnada – 0,1% 

Por um triz a economia brasileira não entrou em recessão . O Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no País – do ano passado, divulgado no fim de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), teve leve alta de 0,1%. Em comparação aos outros países que compõem o G20, o Brasil só cresceu mais do que Itália e Japão em 2014 .

dilma 2‘Teremos que racionalizar nossas despesas’, afirma Dilma

2 – Desemprego dá as caras – 5,9%

Com a estagnação econômica, o nível de desemprego no País começou a subir. De acordo com o IBGE, a taxa atingiu 5,9% em fevereiro, o maior patamar desde junho de 2013 . Em dezembro do ano passado, a taxa indicava 4,3%, passando para 5,3% em janeiro.

Somente em fevereiro o Brasil fechou 2.415 postos de trabalho, o pior resultado para o mês desde 1999.

3 – Gasolina pesa no bolso – 7,5% 

Com o intuito de reforçar o caixa do governo e da Petrobras, o governo promoveu, em fevereiro, aumentos de R$ 0,22 e R$ 0,15 no litro da gasolina e do diesel . Na ocasião, o ministro Joaquim Levy disse que a medida fazia parte de “uma sequência de ações que estão sendo tomadas com o objetivo de aumentar o confiança”. “De tal forma que no devido momento a gente possa ter uma retomada da economia”. Era o início do que ficaria conhecido como ajuste fiscal.

O aumento médio no preço da gasolina no País foi de 7,5%, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

4 – Aumento na conta de luz – 23,4% 

Conforme a seca atingia o reservatório das hidrelétricas, o rombo das distribuidoras de energia crescia ao ter que recorrer às termoelétricas para manter o abastecimento. Com isso, não houve jeito. A conta de luz ficou, em média, 23,4% mais cara em todo o Brasil .

O valor da revisão tarifária variou de acordo com a empresa. No caso da Eletropaulo, de são Paulo, por exemplo, o aumento médio nas tarifas foi de 31,9%, enquanto a da Cemig, de Minas Gerais, subiu 28,8% e a da Light, do Rio de Janeiro, 22,5%.

5 – Inflação mais alta em 20 anos – 1,32% 

Com tantos reajustes no início do ano, a inflação foi às alturas. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial do País, atingiu 8,13% no acumulado de 12 meses até março, na comparação com igual período anterior. Este patamar é bem superior ao teto da meta do Banco Central, de 6,5%, e se trata do maior nível desde dezembro de 2003.

O avanço no mês passado, de 1,32%, foi a maior taxa para meses de março desde 1995.

A taxa acumulada entre janeiro e março deste ano (3,83%) também é a maior para um primeiro trimestre desde 2003.

dilma 3

Alimentos, tarifas de energia e transporte têm pressionada a inflação neste início de ano (Foto: Paulo Whitaker / Reuters)

6 – Queda das ações da Petrobras – 11% 

Em meio às investigações da Operação Lava Jato, a Petrobras se vê em dificuldades para publicar o balanço de suas finanças. O documento referente ao terceiro trimestre do ano passado, que deveria ter sido divulgado até meados de novembro passado, foi publicado somente no final de janeiro. E sem as perdas contábeis em relação ao esquema de corrupção . Como consequência, as ações da empresa chegaram a cair 11% na mesma data.

Dias depois, Graça Foster foi substituída na presidência da petroleira por Aldemir Bendine, até então presidente do Banco do Brasil . O mercado financeiro não reagiu bem à escolha.

agência de classificação de risco Moody’s rebaixou as notas da estatal para grau especulativo . O rating caiu dois degraus, de Baa3 para Ba2.

7 – Políticos investigados na Lava Jato – 47 

No início de março, com o avanço da Operação Lava Jato, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal uma lista com pedidos de investigação contra 54 pessoas citadas no esquema. O ministro Teori Zavascki autorizou a investigação contra 47 políticos, entre eles os presidentes da Câmara e do Senado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Renan Calheiros (PMDB-AL) .

dilma 4

Presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha, são investigados na Lava Jato (Foto: Paulo Whitaker / Reuters)

8 – Dólar nas alturas – R$ 3,30 

A presença de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda agradou ao mercado, mas não foi o suficiente para conter a valorização do dólar. A moeda tem se mantido no patamar acima de R$ 3 desde o início de março, atingindo R$ 3,30 no dia 19 do mesmo mês , o maior em quase 12 anos.

A moeda norte-americana tem registrado valorização em relação as de emergentes em todo o mundo, mas situações domésticas, como o desentendimento entre Planalto e Congresso em torno do ajuste fiscal, agravaram a depreciação do real.

9 – Mudanças no seguro-desemprego – 18 meses 

Uma das medidas do ajuste fiscal, que prevê enxugar os gastos da máquina pública, atingiu diretamente o seguro-desemprego. Todo trabalhador demitido desde o dia 2 de março está sob a regência de novas regras para obter o benefício .

Anteriormente, o funcionário que fosse demitido após seis meses de trabalho já teria direito ao seguro-desemprego. Agora, o direito ao benefício, para quem for pedir pela primeira vez, prevê pelo menos 18 meses de trabalho num período de 24 meses.

10 – Imposto de Renda – 6,5% 

Neste mês, entrou em vigor a nova tabela do Imposto de Renda . O tema teve ampla discussão entre o Planalto, que queria corrigir as alíquotas pelo centro da meta de inflação, de 4,5%, e o Congresso Nacional, que defendia a correção de 6,5%, o teto e mais próximo do acumulado pelo indicador oficial de inflação no ano passado.

A saída foi uma correção escalonada, com as alíquotas sendo ajustadas conforme as faixas de renda. Para a faixa isenta e a alíquota de 7,5% de IR, a correção foi de 6,5%. O percentual vai caindo nas demais faixas de renda até a correção de 4,5% na alíquota de 27,5% sobre a renda.

A partir desta situação, o ministro Joaquim Levy, até então com discursos técnicos, passou a ter uma postura de negociador entre o Executivo e o Legislativo federal.

Uma nova política econômica 

Guido Mantega, antecessor de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda, promoveu a desoneração de tributos sobre a folha de pagamentos de diversos setores para impulsionar a economia brasileira durante o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Aliados do ex-ministro dizem que essa política evitou que o País entrasse em recessão, enquanto críticos afirmam que essas e outras medidas contribuíram para a desordem da economia.

A política de desonerações de Mantega deu lugar ao ajuste fiscal de Joaquim Levy. Segundo o ministro, o objetivo é fazer o País voltar a crescer ordenadamente e não perder o grau de investimento.

Com isso, uma medida provisória reduzindo as desonerações foi editada no final de fevereiro . Em sua defesa, Levy diz que o governo, até o momento, não criou nenhum novo imposto, somente rearranjou os que já estavam em vigor.

http://terratv.terra.com.br/trs/video/7804375

‘Levy é muito importante para o Brasil hoje’, afirma Dilma

SAIBA MAIS:

Inflação para famílias de baixa renda avança 1,51% em março

Agência reduz perspectiva do Brasil, mas mantém rating BBB

Desemprego sobe a 7,4% no trimestre encerrado em fevereiro

Em São Paulo, empresários morrem de amor por Levy: o cara

*****

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: