Os desafios do Brasil para voltar a crescer (Leitura noturna)

29/03/2015 at 19:55 (*Liberdade e Diversidade)

dilmaO resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2014 é o pior do primeiro mandato de Dilma Rousseff 

27/03/2014

Fonte: DW

Após estagnação em 2014, expectativas sobre 2015 são desanimadoras. Reconquistar a confiança de empresários, controlar inflação, seguir com ajuste fiscal e reequilibrar Orçamento são alguns dos desafios.

Depois de o IBGE divulgar nesta sexta-feira (27/03) que o Produto Interno Bruto (2015) ficou praticamente estagnado em 2014, as expectativas para 2015 são pouco animadoras. O último Boletim Focus – pesquisa realizada semanalmente junto a instituições financeiras e economistas – prevê retração de 0,83% na economia brasileira neste ano.

Para especialistas ouvidos pela DW Brasil, para o país crescer, a presidente Dilma Rousseff terá, entre outros desafios: reconquistar a confiança de empresários, sinalizar que vai manter o ajuste fiscal, controlar a inflação e reequilibrar as contas públicas.

“Saímos de 2014 com um PIB que se desacelerou substancialmente e entramos em um ano em que o ajuste de demanda já começou, mas há ainda uma série de etapas a serem cumpridas”, afirma o economista Vinícius Botelho, da FGV/IBRE. “O PIB do primeiro trimestre de 2015 deve ficar próximo de zero e, com a confiança nos piores patamares, deve haver a continuação do processo de deterioração da economia.”

Botelho afirma diz que somente o ajuste fiscal não é necessário. Para ele, é necessária uma agenda regulatória e microeconômica para tentar retomar o crescimento brasileiro. “Houve muita intervenção nos preços, taxas de juros e funcionamento do mercado. É preciso devolver essa estabilidade para que os setores deslanchem”, afirma o especialista.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), é um das taxas que estão em queda. Em março, o índice voltou a cair e registrou o menor patamar desde 1999, quando a pesquisa começou a ser feita. A taxa caiu para 37,5 pontos e está 19 pontos abaixo da média histórica. A venda de carros em fevereiro caiu 28,9% na comparação com o mesmo mês de 2014.

O ajuste fiscal de Joaquim Levy, ministro da Fazenda, em sua primeira etapa já contemplou cortes nos gastos de ministérios e investimentos, aumento de impostos e da taxa básica de juros. Além disso, deixou-se de gastar dinheiro para segurar o câmbio, deixando-o flutuante. Todas essas ações tiveram o objetivo de reequilibrar o Orçamento público, atingir a meta de superávit primário e manter a nota das agências de classificação de risco para a dívida do país.

“O aperto fiscal e a mudança da política monetária geram diversos efeitos na economia. Entre eles, a cessação de repasses a obras e serviços anteriormente contratados e os que seriam realizados, elevação da taxa básica de juros e redução na oferta de crédito “, afirma Marcos Sarmento Melo, professor de finanças do Ibmec/DF.

Para o especialista, tais medidas reduzem exponencialmente o volume de bens e serviços contratados. A empresa que não vende para o governo não compra insumos e serviços de outras, num efeito multiplicador na economia.

“A redução na oferta de crédito e o aumento das taxas de juros tornam menos rentáveis e atraentes os investimentos que poderiam ser feitos pelas empresas e tornam mais difícil para o consumidor adquirir bens”, afirma Melo.

agropecuáriaA agropecuária cresceu 0,4% em 2014. Já a indústria recuou 1,2% e os serviços, alta de 0,7%.

PIB amarga crescimento de 0,1% em 2014

A economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, no pior resultado desde 2009, auge da crise econômica global, quando registrou uma retração de 0,2%. O resultado de 2014 é também o pior do governo Dilma Rousseff.

A taxa de crescimento é inferior à de 2013, quando o Brasil cresceu 2,7% – índice já revisado e divulgado também nesta segunda-feira. Originalmente, o PIB no período havia crescido 2,5%. Além do cálculo de 2014, o IBGE revisou também os dados dos dois anos anteriores. Em 2012, a taxa de crescimento passou de 1% para 1,8%; e em 2013, de 2,5% para 2,7%.

“A revisão da metodologia não ocorreu para favorecer os resultados do governo. Diversos países já vinham adotando tais correções metodológicas para padronizar comparações e tornar os números mais realistas”, diz Melo. “Os gastos em pesquisa e desenvolvimento foram tomados como investimentos com efeito de elevar o crescimento econômico, como de fato acontece. Isso não era anteriormente considerado no cálculo do PIB.”

Em relação aos setores da economia, a indústria teve queda de 1,2% em 2014. A agropecuária cresceu 0,4%, e os serviços, 0,7%. Já a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que representa os investimentos, diminuiu 4,4% em 2014 por conta do descrédito dos empresários na economia brasileira. Entre os motivos estão o aumento dos juros, crédito mais escasso e a piora do cenário fiscal do país.

Já o consumo das famílias (0,9%) e o consumo do governo (1,3%) aumentaram em relação a 2013, mas perderam fôlego. Os mesmos índices foram de 2,9% e 6,1% na comparação entre 2013 e 2012, já levando em conta a revisão do IBGE. Em 2014, o PIB fechou em 5,521 trilhões de reais. Um dos vilões do consumo das famílias é a pressão sobre a inflação.

O PIB per capita diminuiu pela primeira vez desde 2009 e registrou uma queda de 0,7%, para 27.229 reais. Houve recuo em 2014 porque o crescimento da população foi de 0,9%, ou seja, registrou um avanço superior ao da economia. Em 2013, o PIB per capita teve um crescimento de 1,8% em relação a 2012.

Em relação ao terceiro trimestre, o PIB do quarto trimestre de 2014 cresceu 0,3%, já levando em conta a revisão do governo. A agropecuária registrou um aumento de 1,8%, a indústria se manteve estável (-0,1%) e o setor de serviços teve alta de 0,3%. Em comparação ao quarto trimestre de 2013, o PIB variou -0,2% – a indústria recuou 1,9%, enquanto os serviços (0,4%) e a agropecuária (1,2%) aumentaram.

MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

PIB cresce apenas 0,1% em 2014

Economia brasileira fecha o ano muito próxima da estagnação. Queda na indústria puxou o Produto Interno Bruto para baixo, com queda de 1,2%. Já o setor de serviços subiu 0,7%. (27.03.2015)  

Standard & Poor’s mantém nota de crédito do Brasil

Agência de classificação de risco confirma rating de “BBB-” e país permanece dentro do grau de investimento. A perspectiva estável reflete o apoio da presidente Dilma às políticas de correção econômica, diz a S&P. (23.03.2015)  

Escândalo na Petrobras acelera demissões e afeta economia

Desde o início da crise, ao menos 37 mil trabalhadores foram demitidos em canteiros de obras da estatal. Muitos deles terão dificuldades para conseguir um novo emprego. (16.03.2015)

Crise no setor automotivo não afugenta montadoras

Após crescer regularmente por mais de uma década, produção de automóveis diminui no Brasil. Mesmo assim, fabricantes mantêm planos de investir 45 bilhões de reais em novas linhas de montagem nos próximos dez anos. (11.03.2015)

Dilma simplifica ao culpar crise internacional e seca, dizem analistas

Para especialistas, esses dois aspectos são importantes, mas não explicam sozinhos os problemas que a economia brasileira enfrenta. Há também fatores internos. (09.03.2015)

Mercado piora projeções para inflação e PIB

Analistas esperam uma retração de 0,66% na economia brasileira neste ano, pouco abaixo dos 0,58% negativos previstos anteriormente. Preços deverão subir 7,77%, acima do teto estabelecido pelo governo. (09.03.2015) 

*****

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: