Cantareira de Cinzas (Crônica da noite)

02/03/2015 at 21:46 (*Liberdade e Diversidade) ()

Letra e música: Maurício Ayer

Imagens: Gabriela Leite e Coletivo Candeia

O2/03/2015

Maurício Ayer / Outras Palavras / Blog da Redação

O carnaval acabou, mas o bloco não vai poder sair da rua. Sobrou cachaça e cerveja… mas água que é bom… necas.

Assista à nova crônica audiovisual de Outras Palavras: Cantareira de Cinzas.

Cantareira de Cinzas

Pensei que cachaça era água
Saí no bloco da bacia
Ouvi as fontes murmurantes
Quatro noites e quatro dias

Acordei depois do dilúvio
Só o pó na quarta-feira
Mas no box do banheiro
nem sinal de Cantareira

A ducha suspirou
No vaso uma desolação
E a conta da Sabesp aconselha
Beba com moderação

Acabou o carnaval
A máscara perdeu a graça
Só me resta encher a cara
Com a bendita da cachaça

*****

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: