Onça em prédio, a 50 m de altura, pode ser coberta por tinta e sumir da paisagem no centro de Campo Grande, MS

15/01/2015 at 18:41 (*Liberdade e Diversidade)

640x480-0d169853aed07fbfd0d40c0bb7b9d1bdCondomínio está passando por reforma. (Foto: Marcelo Calazans) 

15/01/2015

Elverson Cardozo e Paulo Renato Coelho Netto / Campo Grande News

onça 2

Painel tem 14 X 20 e 280 m². (Foto: Divulgação)

A imagem da imensa Onça Pintada que os campo-grandenses enxergam de longe, do alto de um prédio no centro da cidade, está “ameaçada de extinção”.

A obra, de autoria de Cleir Avila Ferreira, um dos maiores ícones das artes plásticas sul-mato-grossenses, pode sumir da paisagem, porque o condomínio Edifício Inah, onde o desenho foi feito, está em reforma e o painel, de 14 X 20 e 280 m² a 50 metros de altura, está posicionado em áreas que apresentam infiltrações.

Isso significa que, para solucionar o problema, a equipe que faz o serviço terá de mexer nesses espaços. E isso, com certeza, vai prejudicar o desenho.

Como a Onça vai ficar “rasurada”, a saída, ao final do trabalho, será a revitalização ou, então, passar tinta por cima, opção mais provável, mas nada desejada.

“Tem que mexer no painel. Eu tenho que subir e revitalizar, mas, para isso, preciso receber um cachê. Preciso de apoio cultural”, explica.

Cleir quer R$ 120 mil pelo trabalho de revitalização e, por isso, conclama ajuda do poder público. “O condomínio não pode me pagar. E eu não vou subir lá para não ganhar nada. São 30, 40 dias de trabalho, fora o risco. Quero colaborar, mas sou artista, vivo disso”, diz.

O valor da reforma, na avaliação dele, “não é muito dinheiro” porque a revitalização, além de necessária, vale a pena. “O painel vai ficar ali mais 10 anos”, estima.

Cleir idealizou e desenhou a Onça Pintada em 1994. O primeiro “retoque” da obra, patrocinado pela Vivo, foi em 2003. De lá para cá, nada mais foi feito.

Sucesso desde a criação – O painel fez tanto sucesso, desde sua criação, que abriu caminho para outros painéis gigantes feitos em condomínios em Dourados (Papagaio e Araras Vermelhas), Garça e Arara Canindé em Três Lagoas, Peão dos Ervais em Ponta Porã, Arara Vermelha e Dourado, em Corumbá.

Na Capital, depois da Onça, surgiram outros seis painéis em vários prédios, com imagens de papagaios, araras vermelhas e azuis e tuiuiús, além de um mapa de Mato Grosso do Sul no Instituto Arnaldo Estevão de Figueiredo.

A arte de Cleir ganhou as ruas e motivou a edificação de várias esculturas que também se tornaram cartões postais, tanto em Campo Grande como em diversas cidades turísticas sul-mato-grossenses.

640x480-66fec597d517c5ae686577ac14a68670Desenho pode ser visto de longe. (Foto: Marcelo Calazans)

***

*Comentário do blog: É preciso fazer alguma coisa para evitar a “extinção” da onça no Edifício Inah – Centro de Campo Grande,MS.

*****

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: