DATAFOLHA E IBOPE: DILMA DISPARA SOBRE AÉCIO

23/10/2014 at 22:22 (*Liberdade e Diversidade)

images-cms-image-000400608 (1)

23 DE OUTUBRO DE 2014

Pesquisas que acabam de ser divulgadas pelos maiores institutos apontam candidata do PT à reeleição à frente do postulante do PSDB além da margem de erro pela primeira vez no segundo turno; na Datafolha, Dilma Rousseff marca 53% dos votos válidos, contra 47% para Aécio Neves, uma vantagem de seis pontos; Ibope tem placar de 54% a 46%, diferença de oito pontos; PT avança na reta final, cerca tucanos e leva Dilma ao favoritismo na eleição de domingo.

247 – Levantamentos divulgados pelos institutos Datafolha e Ibope na tarde desta quinta-feira 23 apontam vantagem de seis e oito pontos, respectivamente, da presidente Dilma Rousseff em relação ao candidato do PSDB, Aécio Neves.

No Datafolha, ela atinge 53% das intenções dos votos válidos, contra 47% do tucano. Em comparação com a última pesquisa, Dilma cresceu um ponto, enquanto Aécio perdeu um.

Em votos totais, Dilma registrou 48%, enquanto Aécio atingiu 42%. Brancos e nulos representaram 5% dos entrevistados. Outros 5% disseram não saber em quem votar.

No Ibope, a presidente cresceu seis pontos em relação à última mostra, da semana passada, e registrou 54% dos votos válidos, ante 46% do adversário.

Considerando os votos totais, Dilma registrou 49% contra 41% de Aécio. Segundo a pesquisa, os indecisos são 3% e 7% responderam que vão votar nulo ou em branco no próximo domingo 26.

Com essa diferença, nos dois levantamentos, a candidata à reeleição pelo PT passa a liderar a disputa à Presidência da República isoladamente, pela primeira vez no segundo turno.

As notícias, que chegaram praticamente juntas ao público, mostrou uma inesperada, para a maioria dos analistas, aceleração da definição do eleitorado. O que se nota é que pesquisa Datafolha divulgada dois dias atrás, na qual Dilma apresentava 52% contra 48% para Aécio, não mostrava um quadro cristalizado, mas sim em evolução.

A candidatura da presidente mostrou capacidade de crescer um ponto – e talvez este ainda não tenha sido o ponto final da evolução. O teto de Dilma pode ser maior. Da mesma maneira, Aécio corre o risco de encontrar seu piso mais abaixo da atual marca, se não tratar de retomar a iniciativa. O grande problema é que a eleição acontece dentro de três dias, deixando de oferecer tempo para uma virada tucano sobre a virada de Dilma.

A presidente está indo para as urnas na condição de favorita.

Abaixo, reportagens da Agência Brasil sobre as pesquisas:

Datafolha: Dilma tem 48% das intenções de voto e Aécio, 42%

Mariana Tokarnia – Pesquisa Datafolha, finalizada hoje (23), mostra a candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com 48% das intenções de votos. Aécio Neves, do PSDB, tem 42%. Assim como na pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira, pela primeira vez no levantamento, Dilma lidera a disputa no segundo turno fora da margem de erro.

Votos brancos e nulos somam 5%, enquanto 5% ainda estão indecisos. Considerados os votos válidos (excluindo-se os brancos, nulos e indecisos), Dilma tem 53% e Aécio, 47%. A pesquisa foi contratada pelo jornal Folha de S.Paulo e pela TV Globo. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 47% e Aécio, 43% dos votos totais.

De acordo com o levantamento divulgado hoje, 41% afirmaram não votar em Aécio “de jeito nenhum”, enquanto 37% afirmaram não votar em Dilma.

A pesquisa Datafolha ouviu 9.910 eleitores na quarta-feira (22) e na quinta-feira (23). A margem de erro é dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01162/2014.

No primeiro turno, Dilma Rousseff obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves recebeu 33,55%. O segundo turno das eleições presidenciais será no próximo domingo (26).

Ibope: Dilma tem 49% e Aécio, 41% das intenções de voto

A pesquisa Ibope divulgada hoje (23) mostra a candidata do PT, Dilma Rousseff, com 49% das intenções de votos. Aécio Neves, do PSDB, tem 41%. Votos brancos e nulos somam 7% e não sabem ou não responderam 3%. Na pesquisa anterior, divulgada no último dia 15, Aécio tinha 45% das intenções de voto e Dilma, 43%. Brancos e nulos somavam 7%. Os que não sabiam ou não responderam, 5%.

No caso dos votos válidos, ou seja, excluídos brancos, nulos e os eleitores que se declaram indecisos, mesmo procedimento utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição, de acordo com o instituto, Dilma aparece com 54% das intenções de votos e Aécio com 46%. Na pesquisa anterior, Aécio tinha 51% e Dilma, 49% dos votos válidos.

Quanto ao percentual de rejeição, de acordo com o Ibope, Aécio tem 42% e Dilma, 36%.

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios, entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01168/2014. A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo.

No primeiro turno das eleições, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dilma Rousseff obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves, 33,55%.

*****

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

NA FILA DO AÇOUGUE (Crônica vespertina)

23/10/2014 at 15:50 (*Liberdade e Diversidade)

açougue

23/10/2014

André Luiz Alvez*

André Luiz Alves

Oito horas da manhã e o sol castigava sem piedade. O caminho entre o estacionamento e a entrada do supermercado é curto, ainda assim, entrei no estabelecimento e gotas de suor ameaçavam cair da minha testa. Ar condicionado, sentimento de alívio.

Havia uma fila enorme à frente da seção de açougue. Lá fora o calor intenso fez com que eu perdesse a pressa de ir embora e resolvi enfrentar a fila. De repente, desfilavam diante de mim diversos tipos de pessoas, e eu gosto de conversar com estranhos.

O homem baixo à minha frente dana a falar sobre suas virtudes. Escutei sem prestar muita atenção, a voz dele me irritou e ele nada percebeu, prosseguiu contando vantagens. É impressionante como temos a mania de enaltecer nossos feitos.

Num dado momento, falou que era contra o bolsa família, “coisa de vagabundos” frisou. E tratou de contar que sempre trabalhou; foi engraxate, padeiro, pintor, até entrar para o serviço público, “por concurso” fez questão de alertar.

Embora eu não concordasse com a sua opinião, me mantive quieto, remexendo os escombros do lugar à procura de uma visão que aquietasse meus pensamentos. O baixinho prosseguiu num tom de voz alto, no desejo ardente de conquistar mais ouvintes. Perdigotos voavam por todos os lados.

Uma moça passa por perto trazendo pelos braços uma garotinha sorridente, que olha em minha direção num encanto que acalma minha alma. A fila não anda, idosos aparecem a todo instante e eles têm prioridade. Começo a me incomodar, mas a simples lembrança do calor lá fora, gera novo ânimo.

O rapaz da ponta resolve falar mal do governo e o baixinho se empolga: ladrões, safados, dizem quase ao mesmo tempo. Nova chuva de perdigotos. E se eu fosse para a seção de frutas e voltasse mais tarde pra fila da carne? Pensei com meus botões.

Ao lado, já eram tantos os idosos, que formaram outra fila. O baixinho se aquietou por instantes, até se lembrar de quando era jovem e sussurrou-me suas conquistas. Foram tantas que quase acreditei. Um senhor de olhos claros e cabelos tingidos pelo tempo, chega à fila dos idosos.

É o único que não é magro, embora também não fosse gordo; usava bermuda e camisa regata, da sandália de couro apontavam as unhas compridas e mal tratadas, provavelmente seu único defeito. Disfarço o olhar, não quero chamar a atenção, fico a imaginá-lo quando jovem. Faço o mesmo com a senhora à frente dele. Talvez foram namorados tempos atrás e agora, as vistas cansadas, sequer se reconhecem. Quantos anos será que eles têm? A garotinha retorna em desabalada carreira.

A jovem mãe vem atrás, aos gritos: “Espere a mamãe, Cristina!”. Que nome lindo. Há tempos que não ouvia alguém pronunciar esse nome, que era comum quando eu era jovem. Quando eu era jovem… Um pensamento estranho me percorre: Logo estarei na fila ao lado. Enfim chega a minha vez. Um quilo de bife e dois peitos de frango pedi, e fui embora. Lá fora o calor dos diabos me aguardava.

*Escritor, publicitário e ator.

Acido13@gmail.com

**Crônica publicada hoje (23/10) no jornal Correio do Estado.

*****

Link permanente Deixe um comentário

Comunidade Terena pode permanecer em terras na região de Buriti

23/10/2014 at 15:17 (*Liberdade e Diversidade)

Terra terena buriti Terra Terena Buriti – Mato Grosso do Sul

23/10/2014

Gabriel Kabad – Capital News – (www.capitalnews.com.br)

O Ministério Público Federal (MPF) obteve efeito suspensivo de decisão liminar que determinava a reintegração de posse de imóveis situados na região de Buriti, Mato Grosso do Sul, ocupados por indígenas da comunidade Terena. A nova decisão, da 1ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF3), também suspendeu multa diária de R$ 500 contra a comunidade indígena e de R$ 1 mil contra a Funai em caso de descumprimento.

Apesar de o próprio Ministério da Justiça ter declarado a área como de posse permanente dos índios, a liminar atendia pedido de Afrânio Pereira Martins, autor de uma das ações de interdito possessório movidas contra os Terenas, que ocupam terras nos municípios de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, informou o site do Ministério Público Federal de MS.

Martins sustentava que a comunidade indígena estava praticando atos para perturbar ou privar a posse dos imóveis, posse esta que fora determinada pela 1ª Seção do TRF3 declarando válido o domínio particular sobre a área administrativamente demarcada baseando-se somente nos títulos de domínio.

A procuradora regional da República Maria Cristiana Amorim Ziouva se manifestou contra a liminar concedida pela Justiça Federal e asseverou que mesmo os autores que os autores da ação aleguem ter direito à posse das terras, eles são meros detentores das terras em litígio.

Além disso, a procuradora ressaltou que todas as provas constantes nos autos de origem já apontam para a existência da ocupação tradicional pelos indígenas, inclusive a Portaria 3.079/2010 do Ministério da Justiça, que declarou como de posse permanente dos índios Terena aproximadamente 17 mil hectares, incluindo as terras apontadas na ação.

A reintegração de posse acarretaria uma proteção do interesse particular em detrimento aos interesses e direitos indígenas, podendo assolar a sobrevivência étnica e cultural dos integrantes da comunidade, ocasionando lesão de grave ou de difícil reparação.

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF3), por unanimidade, atendeu à manifestação do MPF e suspendeu a liminar que impunha a reintegração de posse em desfavor da comunidade indígena Buriti, bem como concedeu o efeito suspensivo em relação à multa diária de aplicada à Funai e à Comunidade de R$ 500 em caso de descumprimento.

*****

Link permanente Deixe um comentário

Lançamento de obra sobre cinemas de Campo Grande,MS, é hoje

23/10/2014 at 12:28 (*Liberdade e Diversidade)

cinemas campo grandeCom o intuito de conhecer a história dos cinemas de Campo Grande,MS, as professoras Flaviana Miranda e Maria Augusta de Castilho lançam hoje a obra “RE Territorialização do Espaço Cinematográfico de Campo Grande: história e cultura na perspectiva do desenvolvimento local”. O lançamento do livro acontece hoje (23/10), a partir das 19h30 no Anfiteatro Pe. angel Adolfo Sanchez y Sanches, na UCDB. A entrada é franca. Informações pelo telefone: (67) 9982-0725. Ver matéria completa no jornal “O Estado MS” de hoje (23) assinada por Ana Karolyna Resquim.

http://www.oestadoms.com.br

***

*Comentário: Parabéns Profa. Maria Augusta. Guarde um exemplar pra mim!

*****

Link permanente Deixe um comentário

Uruguai vai às urnas com ‘cenário brasileiro’

23/10/2014 at 11:44 (*Liberdade e Diversidade)

José MujicaO atual presidente uruguaio, José Mujica: pesquisas apontam para uma possível disputa acirrada por sua sucessão a partir de domingo (26)

23/10/2014

BBC Brasil

Os uruguaios vão às urnas neste domingo para escolher um novo presidente, em uma eleição que desenha um cenário bastante parecido com o que ocorreu no primeiro turno no Brasil – e pode caminhar para a polarização que tem marcado a reta final para o segundo turno no país vizinho.

O candidato do governo, o ex-presidente Tabaré Vásquez, da Frente Ampla, lidera as intenções de voto, de acordo com as pesquisas de opinião, com 40% a 43% das intenções de voto, enquanto Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, registra 33%. Pedro Bordaberry, do Partido Colorado, tem 15%

“No caso de segundo turno, a expectativa é que a oposição se una para apoiar Pou contra Vásquez. Por isso, o resultado é incerto”, disse à BBC Brasil o professor de história e de ciências políticas da Universidade de la República, em Montevidéu, Gerardo Caetano.

A ex-senadora Margarita Percovich, que apoiou a gestão de Mujica, prevê um segundo turno apertado, a exemplo do que ocorre no Brasil.

“As semelhanças com o nosso processo eleitoral e o brasileiro são impressionantes. O que está ocorrendo aqui é tão complexo e imprevisível como no Brasil”, afirma a ex-senadora.

Mercosul ‘divisivo’

O cálculo que analistas, políticos governistas e opositores fazem, a partir do que indicam as pesquisas, é que, se somados os votos de Lacalle Pou e de Bordaberry, ocorreria, como no Brasil, um empate técnico no segundo turno.

“A percepção é de que os eleitores ainda estão mudando seus votos (a poucos dias da eleição). E os indecisos não são apenas os tradicionais das eleições anteriores, mas aqueles que veem desgaste em um governo que está há quase dez anos no cargo”, explica Caetano.

A Frente Ampla assumiu a Presidência com Vásquez em 2005. O Uruguai não permite a reeleição para mandato consecutivo, e o candidato do partido foi Mujica, que assumiu o cargo em 2010.

Há fortes semelhanças com a campanha brasileira nos discursos e propostas de governo.

A candidatura e a visão política de Tabaré Vázquez e da Frente Ampla são identificadas com as da presidente Dilma Rousseff e o PT (Partido dos Trabalhadores) por sua ideologia e trajetórias.

Já Lacalle Pou e Pedro Bordaberry poderiam representar a oposição liderada por Aécio Neves no Brasil – com ressalvas, como observa Pomies.

“Lacalle Pou é muito mais liberal, em termos econômicos, do que Aécio. E Bordaberry está muito mais à direita. Mas Lacalle Pou tem a mesma trajetória que Aécio nessa eleição. Parecia não ter muitas chances e agora pode até vencer”, diz a analista do Cifra.

Caetano destaca que as semelhanças, em termos de propostas, entre Lacalle Pou e Aécio ocorrem principalmente na política externa. Tabaré, assim como Dilma, tem inclinação pela defesa do Mercosul como união aduaneira – apesar de em 2006, quando era presidente, ter gerado suspense durante vários dias sobre um possível TLC (Tratado de Livre Comércio) com os Estados Unidos, o que acabou não ocorrendo.

Os candidatos da oposição têm defendido, como Aécio, o livre comércio e são críticos do Mercosul pela forma como ele funciona.

Na semana passada, o jornal El Observador, de Montevidéu, disse que “a oposição uruguaia se identifica com a oposição brasileira”.

Por sua vez, Lacalle Pou tem reiterado que “é preciso um Mercosul mais aberto ao mundo”, com a possibilidade de assinatura de acordos comerciais bilaterais com outros países e blocos. “Nós nos negamos a ficar presos a uma única alternativa, Mercosul sim ou não. Precisamos ser mais abertos”, disse ao jornal La Nación, de Buenos Aires.

País de cerca de três milhões de habitantes, com aproximadamente 2,5 milhões de eleitores, o Uruguai vota neste domingo também para deputados e senadores.

E, como no Brasil, saberá se o próximo presidente terá ou não maioria no Congresso Nacional.

Leia mais:

Uruguai se torna 2º a aprovar o casamento gay na América do Sul

Com lei sobre aborto Uruguai caminha para ser o ‘mais liberal’ da América do Sul

*****

Link permanente Deixe um comentário

Maconha não diminui notas nem QI de jovens, diz estudo

23/10/2014 at 10:53 (*Liberdade e Diversidade)

maconha

As crianças que vão mal na escola e usam a droga vão mal porque estão fumando maconha, ou fumam maconha porque estão indo mal na escola?

Foto: Andres Stapff / Reuters

Uso de maconha de forma moderada não afeta o desempenho intelectual ou educacional de adolescentes

23 de outubro de 2014

Terra / Reuters

Uma nova pesquisa garante que – ao contrário do que já foi dito em pesquisas anteriores – o uso de maconha de forma moderada não afeta o desempenho intelectual ou educacional de adolescentes. As informações são do The Independent.

Segundo a publicação, o estudo foi feito pelo Instituto Avon de Estudos Longitudinais entre Pais e Filhos e apresentado no congresso anual do Colégio Europeu de Neuropsicofarmacologia (ECNP), em Berlim, no início desta semana. A conclusão da pesquisa é de que o uso da droga não causa piores resultados em exames acadêmicos e nem mesmo diminui o QI dos usuários.

A pesquisa foi feita com 2.612 crianças, que foram submetidas a testes de QI com oito anos de idade e, novamente, quando tinham 15 anos. Em ambas as idades, eles responderam também a uma pesquisa sobre o uso de maconha.

De acordo com os resultados da pesquisa, o uso de maconha não pode ser declarado como um fator predominante para que os adolescentes tenham dificuldades acadêmicas. “Isso pode sugerir que os resultados anteriores, que mostram um menor desempenho cognitivo em usuários de maconha, podem ter considerado o estilo de vida, o comportamento, a história pessoal, mais do que o próprio uso da maconha em si”, disse o chefe da pesquisa, Claire Mokrysz, que também leciona na Universidade de Londres.

Com isso, a educação passa por um momento de reflexão: as crianças que usam a droga e vão mal na escola vão mal porque estão fumando maconha, ou eles fumam maconha porque estão indo mal na escola?. Este último estudo sugere que dizer que a maconha é sempre o problema, pode ser uma análise simples e superficial de algo mais complexo.

 SAIBA MAIS:

Estudo comprova que fumar maconha não é inofensivo

Clientes reclamam que perfume nacional tem cheiro de maconha

Jamaica eliminará antecedentes de consumidores de maconha

Candidato paz e amor, Eduardo Jorge nega uso de maconha

 

*****

Link permanente Deixe um comentário

Imagem do dia: O voo do pássaro (Diário Digital MS)

23/10/2014 at 10:33 (*Liberdade e Diversidade)

Imagem do dia“Uma vez que você tenha experimentado voar, você andará pela terra com seus olhos voltados para céu, pois lá você esteve e para lá você desejará voltar.” – Leonardo da Vinci (Foto: Victor Chileno)

Leia mais em:

http://www.diariodigital.com.br/dia-digital/uma-vez-que-voce-tenha-experimentado-voar-voce-andara-pela-terra-com-s/121112/

*****

Link permanente Deixe um comentário

Semana de Jornalismo festeja 25 anos do curso na UFMS

23/10/2014 at 10:14 (*Liberdade e Diversidade)

Semajor 2014 Semana de Jornalismo da UFMS: 25 anos de luta!

Gerson Luiz MartinsGerson Luiz Melo Martins*

23/10/2014

A Semana de Jornalismo da UFMS que começou ontem, 22 de outubro, tem uma razão especial de comemoração. O Curso de Jornalismo da UFMS completa 25 anos de existência. É o primeiro curso de Jornalismo do Estado. Surgiu de forma contundente, pois diferentemente da maioria dos cursos criados nas universidades e faculdades ao longo dos 64 anos de existência da formação universitária em jornalismo no Brasil, o da UFMS foi criado a partir de demanda dos profissionais jornalistas que atuavam no Estado, organizados pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul.

Durante anos o curso, que nasceu Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, teve no quadro de professores profissionais do jornalismo, experientes, que vivenciaram a prática da redação, do trabalho de repórter, e que optaram por ensinar, orientar e se qualificar para o ensino superior de Jornalismo. O curso sempre foi de Jornalismo. Na sua história, houve poucos momentos de comunicação: a pauta sempre foi jornalística. A comunicação como área de conhecimento, como fonte dos estudos de jornalismo, sempre foi tratada como elemento mater para o desenvolvimento das pesquisas e do próprio jornalismo nos laboratórios e salas de aula na UFMS.

A história do Curso de Jornalismo da UFMS passará a ser mais significativa a partir de 2015 quando, de fato, o curso ganhará sua verdadeira identidade, será denominado Curso de Jornalismo e não mais curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo. Nos últimos anos, houve um incremento significativo no curso e sua consolidação como escola de jornalismo, que promove o desenvolvimento da atividade jornalística e do profissional de jornalismo. O curso recebeu novos professores, os laboratórios receberam novos equipamentos, novos laboratórios foram criados, a exemplo do Laboratório de Ciberjornalismo e do Laboratório Observe – Crítica de Mídia–, além dos laboratórios de Jornalismo Científico, renovação do Laboratório de Radiojornalismo e do Laboratório de Fotografia.

“A história do Curso de Jornalismo

da UFMS passará a ser mais

significativa a partir de 2015”

 

Há, por certo, muito a se fazer. É imprescindível uma renovação e atualização do Laboratório de Redação Jornalística, assim como no de Telejornalismo. É um processo que se realiza a cada ano. O grupo de professores cresceu e se qualificou. Em 2014, o curso tem três professores com pós-doutoramento, um em Teoria da Comunicação, outro em Ciberjornalismo e outro em Telejornalismo. Do conjunto de 12 professores, nove são doutores e dois estão em processo para realizar curso de doutorado.

Em poucos anos, a totalidade dos professores terá doutorado, o que qualifica o ensino, a pesquisa e a extensão realizada pelo curso. O grupo de professores doutores realiza pesquisa científica que busca contribuir para o desenvolvimento e a qualidade do jornalismo brasileiro. Esse grupo possibilitou, em 2010, a criação do curso de pós-graduação, com mestrado em Comunicação.

 

O Programa de Pós-Graduação em Comunicação, em 2014, qualificou mais de 15 novos pesquisadores, profissionais da área de comunicação, muitos jornalistas, que agora podem desenvolver pesquisas científicas e atuar no ensino superior de jornalismo ou de outros cursos da área. A identidade “Curso de Jornalismo” será sensivelmente notada na próxima geração de profissionais egressos do curso, quando em seus diplomas estiverem registrados: bacharel em Jornalismo.

 

*Jornalista e pesquisador do PPGCOM e Ciberjor-UFMS – www.ciberjornalismo.net.br

**Matéria publicada hoje (23/10) no jornal “O Estado MS”. www.oestadoms.com.br

*****

Link permanente Deixe um comentário

Campanha para governador no MS: Serra em Dourados e Lula na Capital

23/10/2014 at 09:26 (*Liberdade e Diversidade)

campanha Estado

*Imagens de ontem da Campanha para governador no MS. Acima, Reinaldo Azambuja (PSDB) com Serra (idem). E abaixo, Delcídio do Amaral (PT) com Lula (idem). E vamos à luta! Ver matérias na edição de hoje do jornal Correio do Estado. 

http://www.correiodoestado.com.br

*****

Link permanente Deixe um comentário

Ataques acordam Canadá para a ameaça do extremismo

23/10/2014 at 09:05 (*Liberdade e Diversidade)

Canadá - atentado

Policiais fortemente armados atuam no centro de Ottawa, no Canadá, onde atiradores mataram um soldado e feriram outros dois. Eles invadiram o prédio do Parlamento e trocaram tiros com a polícia. Um foi morto, outro está preso e ainda há um em liberdade

23/10/2014

BBC Brasil

Os tiroteios que deixaram ao menos dois mortos no Canadá chocaram um país tradicionalmente tranquilo e despertaram questões sobre ameaças extremistas e eventuais riscos resultantes do maior alinhamento de Ottawa com os Estados Unidos.

Na quarta-feira, um soldado canadense foi morto a tiros no Memorial de Guerra Nacional na capital. O autor dos disparos, então, correu em direção ao complexo do Parlamento, próximo ao memorial, onde um suposto atirador – possivelmente ele próprio – morreu após trocar tiros com a polícia. Três pessoas foram feridas.

O incidente ocorreu horas depois do país elevar seu nível de alerta e dois dias depois de a polícia matar a tiros um motorista que atropelou dois soldados em um estacionamento no Quebec. O motorista foi descrito como muçulmano “radicalizado”. Um dos soldados morreu.

No início do mês, o Canadá anunciou planos para unir-se à coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o grupo autodenominado ‘Estado Islâmico’ no Iraque, apesar de não haver confirmação de que os ataques desta semana estariam vinculados à campanha militar.

O primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, disse em cadeia nacional de TV que o país “não será intimidado pela violência” e que o ataque só reforçou a resolução do país de lutar contra o extremismo ao lado de seus aliados.

Os ataques de quarta-feira surpreenderam, inclusive, a polícia de Ottawa. No momento do tiroteio, parlamentares estavam em sessão dentro do prédio do legislativo canadense e relataram ter ouvido os tiros e se escondido com medo.

A maioria dos prédios públicos de Ottawa foi fechada, incluindo bibliotecas e escolas, e uma área foi cercada por oficiais de segurança – cenas pouco comuns numa cidade conhecida por sua tranquilidade.

O que pode estar por trás?

Horas após o tiroteio, muitos passaram a se perguntar se a aproximação do Canadá com as políticas americanas estaria por trás destes ataques recentes.

“Isto é um fato isolado ou poderemos esperar mais coisas assim no futuro agora que o Canadá decidiu unir-se à luta contra o ‘Estado Islâmico’?”, disse Mark Brooks, funcionário do Ministério da Fazenda.

Não há uma resposta clara a essa pergunta, pois estes casos poderiam ser ações isoladas. Mas o especialista canadense em terrorismo, Tom Quiggin, diz que houve uma avanço do discurso extremista “radical” no país.

Leia mais: Vídeo mostra tiros e explosões dentro do Parlamento do Canadá

“Eles estão criando um espaço político onde promovem a violência, tanto em casa quanto no exterior, de uma maneira que está se convertendo em algo ‘aceitável'”, disse Quiggin.

“Anteriormente, as vozes extremistas, como a do canadense de origem egípcia Ahmed Said Khadr, que era suspeito de ligações com a Al Qaeda, aconselhava que a violência jihadista no exterior era necessária, mas que deveria ser evitada no Canadá”.

Agora, segundo ele, isso parece estar mudando. Quiggin disse que um número crescente de jovens canadenses foi ao Oriente Médio nos últimos anos para atuar como homens-bomba ou como combatentes do grupo ‘Estado Islâmico’.

Na semana passada, a polícia montada real do Canadá informou ter identificado 90 suspeitos em questões de segurança nacional relacionadas a ações extremistas. Segundo Quiggin, a lista inclui pessoas que planejavam viajar para o exterior e outras que haviam retornado.

“O Canadá, como o Reino Unido e outros países europeus, tem permitido um fluxo contínuo de indivíduos extremistas, dinheiro e ideologia para o país”.

Aproximação com Washington

A aproximação de Ottawa com Washington, sobretudo no Oriente Médio, poderia estar exacerbando o extremismo doméstico.

“Nos últimos anos, este país perdeu, por vezes de maneira controversa, sua imagem como um mediador neutro em conflitos estrangeiros, e também tem trabalhado cada vez mais de perto com autoridades americanas para combater as ameaças terroristas”, disse esta semana Lee Carter, da BBC em Toronto.

Segundo ele, apesar de poucos ataques serem registrados no Canadá e o país manter sua imagem de tranquilidade, uma série de planos foi frustrada pelas autoridades.

“O caso mais notório foi o chamado Toronto 18, de 2006, quando um grupo de extremistas inspirados pela Al-Qaeda foi condenado por planejar um ataque a vários alvos, incluindo os edifícios do Parlamento”.

“No entanto, os críticos acusaram as agências policiais e de inteligência de responderem com lentidão ao desafio mais recente representado pela cada vez mais sofisticada propaganda extremista”.

Embora ainda seja cedo para determinar as razões por trás dos ataques desta semana no Canadá, o que já está claro é que colocou em alerta a um país que normalmente é tranquilo. Um conhecido colunista político local, John Ivison, disse no Twitter que “o Canadá acabou de perder sua inocência”.

Leia mais: ‘Não tive tempo de sentir medo”, diz testemunha

*****

Link permanente Deixe um comentário